Páginas

terça-feira, 29 de março de 2016

Delícias da maternidade #3



Páscoa… Entre o Natal e a Páscoa minha nossa…
Chegamos a locais com 20 pessoas (ou mais) que para a minha filha são praticamente desconhecidas e a primeira coisa que fazem, mal lhe batem com os olhos, é esticar os braços e tentar pegar nela.
A bebé tem apenas quase 11 meses? Não faz mal.
Está num ambiente completamente desconhecido? Não faz mal.
E com uma imensidão de pessoas quase totalmente desconhecidas? Não faz mal.
Prefere estar no colo da mãe? Não faz mal.
Cerca de 1 minuto (ou menos) depois de chegar a estes encontros familiares já estou com os nervos aos saltos. A miúda acaba por ir ao colo de toda a gente. Custa muito esperar uns minutos que ela se ambiente? É muito difícil não andar a passa-la de colo em colo como se fosse uma bola de futebol num derby?
Nunca fui pessoa de pegar em bebés contra a vontade deles. Longe de mim pegar num bebé que se recusasse a vir ao meu colo. Mas tudo fica aumentado com a maternidade a correr-me nas veias.
Gosto que a minha filha seja simpática, risonha, e bem disposta com toda a gente. Gosto que ela, a seu tempo, vá ao colo de quase toda a gente. Mas esta sensação de abutres de volta da presa dá-me vontade de dar corda aos sapatos e pôr-me a correr para bem longe.

sexta-feira, 11 de março de 2016

E abri mais uma porta: a do Crossfit



Há meses que pesquisava sobre a modalidade.
Um sem número de vezes pesquisei locais para experimentar, calculei o tempo de percurso, verifiquei a possibilidade de ir de manhã, ao almoço, à noite… acabei por desistir por não ser conciliável.
Até que um dia, há pouco tempo, por acaso, como quem não quer a coisa, passei por umas instalações mesmo perto de casa com letras gigantes a dizer: Crossfit.
“Crossfit!? Faz-se ali Crossfit? Não acredito! Isto deve ser o destino…”
Mal cheguei a casa tratei de me informar. Olimpus Box… e percebi que era exatamente o que queria/precisava.
Marquei com o treinador que de início me deu explicações e mostrou uma disponibilidade cativante e lá fui à aula experimental. Fiquei refém! No dia seguinte dores em músculos que desconhecia ter, uns 2 ou 3 dias quase sem poder mexer-me mas a vontade era de no dia seguinte ir treinar novamente. E esse é o melhor prémio – a motivação.
Já me inscrevi. Já fui a mais algumas aulas e continuo fã…
Objetivo de Março: aprender a saltar à corda. Pelo que já percebi toda a gente sabe saltar à corda menos eu – infância malvada. Final de Março tenho de parecer o Rocky Balboa no seu melhor (não sei como em pouco mais de 15 dias vou conseguir mas vai ter de ser).
Principal dificuldade: perceber o que é para fazer… é burpees, Wall…, clean…, nem sei. Acabo sempre a perguntar no que se traduz. Mas que gosto, lá isso gosto.
Grande vantagem: ninguém é melhor/pior que ninguém. Cada um dá o seu melhor e apesar de níveis completamente diferentes entre os vários alunos ninguém prejudica ninguém.
Maior surpresa: espírito de equipa/competição. Toda a gente quer ser melhor mas todos apoiam os outros. Aquela picardia saudável cativa-me e gosto mesmo de ver a malta a picar-se.
Para terminar acho que quem quer fazer de passagem de modelos com o último modelo de top a combinar com saia e fita – está no sítio errado. Ali treina-se, esforça-se, apoia-se e no final fica sempre uma sensação de satisfação. É muito suor, muitos obstáculos ultrapassados, uma evolução constante e um treino sempre inesperado. É preciso dizer mais?

quarta-feira, 9 de março de 2016

Almoço/jantar paleo #2



Quando tirei ideias para esta receita julgava que ia ser uma alternativa para o pequeno almoço e acompanhamento para almoço/jantar mas, talvez devido ao sabor intenso a alho, não consegui que fizesse parte de um pequeno almoço.
De qualquer forma parece-me uma boa alternativa para acompanhamento apesar de não estar dentro das minhas preferências.

Fatias de batata doce e curgete

Ingredientes:
+/- 800g de batata doce descascada e ralada
+/- 650g de curgete descascada e ralada
4 ovos
½ chávena de farinha de côco
70g de queijo emmental
2 dentes de alho picados (para quem não gostar do intenso sabor a alho cru aconselho a reduzir esta quantidade)
2 colheres de sopa de cebolinho picado
Sal
Pimenta

Pré aquecer o forno a 180ºC.
Misturar todos os ingredientes.
Revestir um tabuleiro próprio de ir ao forno com papel vegetal e espalhar o preparado anterior. Levar ao forno até ganhar uma cor dourada (cerca de 35-40 minutos).
Deixar arrefecer e servir.